quarta-feira, 2 de maio de 2012

O capital a assumir-se como actor político, sem camuflagem

Das duas, uma: 1. O Pingo Doce diz que faz preços baixos, mas afinal de contas consegue fazer metade do preço, o que significa que podia fazer preços muito mais baixos. 2. O Pingo Doce fez dumping, vendendo abaixo do preço de custo, apenas para mostrar que o Dia do Trabalhador não merece qualquer respeito por parte do patronato. Para mostrar que os patrões - um monopolista - manda mais do que as leis.

6 comentários:

Maria disse...

Uma atitude miserável!

Vitor Monteiro disse...

Deixa-te de comentários tristes.

É facil falar mal na internet, experimenta fazer um inquerito a todos os funcionários do Pingo Doce e valida quantos estão insatisfeitos versus quantos estão satisfeitos.

A verdade é que a realidade não é como voces, criticos de sofá, a pintam...

Deixem-se de calunias e resignem-se à vossa vidinha insignificante.

Vitor Monteiro disse...

Deixe-se de comentários tristes. É facil falar mal da internet, mas tente apurar factos antes de fazer comentários tristes.

Experimente falar com funcionarios do Pingo Doce e apurar quantos, num universo de milhares, estão instatisfeitos versus os que estão satisfeitos e depois fale com provas factuais.

Até lá mantenha os seus comentários de critico de sofá para sí proprio.

E, já deveria saber que, nem tudo o que lê no facebook é verdade.

pedras contra canhões disse...

Fiz questão de publicar os comentários do Vítor Monteiro, porque acho que o grau de indigência dos seus argumentos é um argumento a meu favor. Além disso, que mais esperar de um "jovem developer"?

Vai pastar, Vítor Monteiro.

Tugaonbike disse...

Essa do "Vai pastar, Vítor Monteiro" está demais :):)
Abraço Sr. Deputado Miguel Tiago.

filipe disse...

Por detrás da esfarrapada justificação da vantagem para os "Ex.mºs Clientes" - ontem tratados como animais dentro de redis! -, trata-se já de uma descarada provocação política, contra as liberdades e contra os direitos dos trabalhadores, um afloramento concreto do neofascismo em desenvolvimento. E uma decorrência directa deste actual regime de Capitalismo Monopolista de Estado, reconstituído no nosso país 38 anos depois da Revolução de Abril que o tinha dado como terminado!
E a estes, aos monopolistas, não basta mandarmo-los pastar!...