sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

propaganda

Independentemente do que se tem vindo a colocar sobre moções de censura, particularmente nos últimos dias depois da cambalhota do BE, as questões centrais da política nacional e da situação social e económica do país, presistem e agravam-se, como o PCP tem vindo a afirmar.

A estabilidade política e financeira com que o Primeiro-Ministro chantageia diariamente os portugueses é a outra face da instabilidade social das famílias e dos trabalhadores portugueses que empobrecem a trabalhar.

Os 4 maiores bancos lucraram 1 400 milhões de euros em 2010 (quase o mesmo que 2009) e pagaram menos 55% de impostos (IRC). As exportações aumentam sem qualquer reflexo no sistema produtivo porque são infladas pelas operações financeiras e de serviços baseadas inclusivamente no off-shore da Madeira (não deixando um centavo em Portugal) e os níveis de capacidade de inovação e investigadores per capita, de acordo com o Governo melhoraram como nunca, o que até é verdade se não quisermos comparar as estatísticas com a realidade. A título de exemplo: uma das empresas que mais investigadores declara para efeitos de resposta ao Inquérito ao Potencial Científico e Tecnológico Nacional é o BCP (sim... o millennium BCP!) que declara 89Milhões de euros e 399 investigadores em equivalente a tempo integral. Quando olhamos para os números que sustentam estas declarações reparamos que o BCP tem entre 0(zero) e 1(um) doutorados em funções de investigação. Com manipulação estatística deste calibre, admira-me não sermos ainda o país mais vanguardista em investigação na área da propaganda governamental.

5 comentários:

CRN disse...

Casualmente até somos do países com maior grau de persuasão periférica. De baixa intensidade, mas, enormemente eficaz. Nada de novo quando o povo experimenta dificuldades, basta esperar à beira-mar.

abraço

Sérgio Ribeiro disse...

Mais uma boa... pedrada!

Grande abraço

Graciete Rietsch disse...

Mas investigadores a concorrrer a condursos da TV são aos montes. Só que não sabem ,p.e., quem foi o 1º Presidente da República de Portigal, após a 1ª República.
A culpa nem será tanto deles mas das condições de ensino neste País.

Abraços.

maria disse...

Pedras...

Não fales contra o OFF-SHORE da Madeira, porque senão o PSD não vota na nossa Moção,quando a apresentar-mos contra o governo.

Abraço
Maria

samuel disse...

Boa malha!
Se não estamos na vanguarda... não deve faltar muito... :-)))

Abraço.